Mães domam a ansiedade para enfrentar a pandemia

“Morte, doença, desemprego, falência, crise na saúde, crise econômica, crise política e eu estou como? Tentando evitar uma crise de pânico. ”

Se você se identificou com essa frase, já percebeu que manter a calma em meio a enxurrada de notícias ruins é um grande desafio. Um levantamento feito pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) mostra que os casos de depressão subiram 90% no Brasil após a pandemia. Para não se tornarem parte das estatísticas, as mamães além de cuidar da família, precisam dar a devida atenção a própria saúde, inclusive emocional.

De acordo com a psicóloga Janaina Ap. Oliveira Rosa, alguns indivíduos lidam melhor com o isolamento social e se sentem mais seguros em casa, como é o caso da analista fiscal, Aline Cyrio Goulart. Moradora de Pouso Alegre e mãe de uma menina de 2 anos, Aline não foi desligada da empresa onde trabalha, em Santa Rita do Sapucaí. Mas aderiu ao Home Office e só deixa o lar quando é obrigada a ir ao mercado. “Sair de casa me deixa muito insegura”, conta.  

No entanto, a psicóloga Janaina explica que cada pessoa lida com o medo de uma forma diferente e não existem regras. Ao perder o contato com o ambiente exterior, alguns indivíduos percebem o aumento da sensação de impotência e insegurança.  “Pensando nas mães, que tendem a ser mais sociáveis e que tem uma vida mais agitada, o isolamento pode ser bem mais difícil” relata, “podendo levá-las a se sentirem mais ansiosas e vulneráveis para desenvolver algum tipo de transtorno mental. ”

Clestiane Monique Pimentel Passos toma todas as precauções antes de sair de casa para trabalhar. A moradora de Estiva – MG, teve a jornada de trabalho reduzida pela metade após a pandemia. Ela também sente medo de ser contaminada pelo vírus, mas consegue ver os benefícios da atividade externa. “Sair de casa me deixa apreensiva sim, pois tenho uma bebê de um ano e cinco meses, mas ter que ir trabalhar me ajuda ocupando a minha cabeça e o meu tempo”, diz.

Ao voltar para casa, Monique se blinda das notícias ruins, a televisão permanece desligada pelo restante do dia. O tempo é preenchido com atividades de limpeza, culinária e exercícios físicos. A jovem tem psoríase, uma doença que provoca lesões na pele e é agravada pelo estresse e a ansiedade. Ela conta que à noite se sente mais ansiosa, “sinto falta de ar, mas logo rezo e me acalmo. ”

Durante as crises de ansiedade Janaina aconselha exercícios de respiração podem controlar os sintomas. “E aqui cabe destacar a importância das atividades físicas para ajudar com as emoções, pois, mente e corpo ‘andam’ juntos. ” Dança, yoga, ginastica localizada, as mães podem escolher o exercício preferido. A psicóloga enviou um vídeo com dicas para contornar a situação.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *